Jump to Navigation

Formação de Corpora do Português Paulista

Formação de Corpora do Português Paulista

Pesquisador Associado Coordenador do Subprojeto: Dr. José da Silva Simões (USP)

Outros Pesquisadores Associados: Dra. Verena Kewitz (USP), Dra. Alessandra Castilho Ferreira da Costa (UFRN).

Objetivos

Nossos objetivos principais são selecionar, coletar e editar textos de interesse para a história do Português Paulista, do século XVI ao XX.

Justificativa

Ao estudar a história de uma língua, depara-se com diversos desafios, dentre eles as fontes para a coleta dos dados linguísticos. Esse problema refere-se ao grau de proximidade com o vernáculo ou falares cotidianos presentes nos textos de sincronias passadas. No entanto, acredita-se que as análises possam se basear tanto em textos oficiais, mais formulaicos, com alto grau de controle, quanto em textos mais particulares, menos formulaicos e, portanto, mais próximos da oralidade. Tendo esses dois polos como parâmetro, pode-se assegurar uma exploração dos textos e de suas respectivas marcas linguísticas com maior precisão e cuidado.

Plano de Trabalho

O modelo das Tradições Discursivas, ao lado da Filologia, fornece subsídios para melhor entender a história dos textos. É preciso ter esse aspecto em mente de modo que não se confundam história da língua e história dos textos. A título de ilustração, certas expressões linguísticas podem aparecer num determinado tipo de texto, mas não em outro, simplesmente porque nesse não há motivo e espaço para tais expressões.

Tanto no âmbito do Projeto Para a História do Português Brasileiro (PHPB), quanto do Projeto de História do Português Paulista (PHPP), algumas propostas foram elaboradas para a constituição de corpora representativos das variedades regionais. Notam-se um consenso em relação à constituição de corpora de tipologia textual diversificada e uma preocupação com os diversos registros de várias sincronias, levando em conta, assim, as diversas normas presentes nos textos. Nesse quesito, é muito importante atentar para a história social específica de cada região e sub-região, pois os textos transitam de maneira diversa em determinados grupos sociais, no que se refere à frequência e à tipologia.

Simões & Kewitz (2010b) chamam a atenção para outros aspectos relevantes na constituição de corpora diversos: (i) a história social da língua portuguesa no Brasil; (ii) o contato linguístico; (iii) as normas linguísticas e (iv) a importância dos conceitos de Tradições Discursivas para a constituição dos corpora, conforme atestam Simões & Kewitz (2006a, 2006b, 2009a e 2009b). Nesses trabalhos enumeramos algumas reflexões a respeito de alguns fatores determinantes da produção de textos paulistas ao longo de cinco séculos, tais como a diversidade linguística presente antes do Decreto de Pombal, o papel efetivo das escolas primárias, secundárias e superiores no Estado de SP enquanto propagadores de norma culta, o papel da imprensa enquanto possível modelo de norma culta a partir do século XIX, o perfil das pessoas letradas, a mobilidade social como fator de divulgação de normas escritas e faladas (culta, popular), o conservadorismo ou renovação de tradições: mudança linguística veiculada por determinados gêneros textuais, entre outros fatores. Dessa forma, propõe-se a formação de um corpus mínimo compartilhado que leve em conta os aspectos elencados acima e as especificidades de cada subprojeto do PHPP.

Material e métodos

Seguindo a proposta colocada por Simões & Kewitz (2010a), durante o VIII Seminário do PHPB, realizado em João Pessoa/PB, a agenda de coleta, seleção e edição de documentos paulistas levará em conta os seguintes tipos de texto:

 

CORPUS COMUM MÍNIMO – MANUSCRITOS

 

1. Testamentos

2. Processos-crime

3. Atas da Câmara

 

Cartas

 

4. Cartas particulares

5. Cartas da administração privada

6. Cartas oficiais

 

CORPUS COMUM MÍNIMO – IMPRESSOS

 

Textos jornalísticos a partir do séc. XIX

 

7. Cartas de redatores/editorais

8. Cartas de leitores

9. Anúncios

10. Notícias

 

CORPUS COMUM DIFERENCIAL

 

11. Inventários

12. Memórias históricas e diários de viagem

13. Entremezes e outros textos teatrais

14. Inquéritos orais

15. Editoriais

16. Folhetins

 

Alguns subprojetos prevêem em suas agendas a coleta e edição de alguns documentos listados acima, tais como Inquéritos Orais (Ângela C. Rodrigues), Textos de jornais (Maria A. Torres de Morais), Atas da Câmara e Testamentos (Sílvio de A. Toledo Neto). A relação de documentos colocada acima visa justamente a completar a agenda prevista para o PHPB. A análise de cada gênero e seu entorno social possibilitará melhor compreensão das inovações e conservações linguísticas presentes nos textos, cujo conjunto representa um bem cultural de grande importância. Uma vez preparada a edição filológica dos documentos, estes serão disponibilizados a todos os pesquisadores do Projeto Temático e pesquisadores do PHPB.

 

Referências: 

Simões & Kewitz (2006a, 2006b, 2009a, 2009b, 2009c, 2010a, 2010b), Simões (2012)

 

Relatório FAPESP, abril de 2014:

1.1 Subprojeto Formação de Corpora do Português Paulista

      Coordenador: Prof. Dr. José da Silva Simões (USP)

 

1.1.1 Introdução

O Subprojeto Formação de corpora do Português Paulista assumiu os encargos que, durante a vigência do Projeto Temático anterior do PHPP, eram de responsabilidade da Comissão de Linguística de Corpus do PHPP: selecionar, coletar e editar textos de interesse para a história do Português Paulista, do século XVI ao XX. Este Subprojeto tem por missão principal, portanto, reunir os materiais coletados e editados no seu âmbito e no bojo de outros Subprojetos do PHPP, de maneira a uniformizar o material, atendendo, assim, à metodologia de trabalho adotada pela atual equipe e já exposta na proposta submetida à FAPESP.

 

 

1.1.2 Pesquisadores e respectivos temas

            Registramos abaixo os temas abordados nesse Subprojeto, que se relacionam com a formação de corpora do Português Paulista, os responsáveis por eles e respectivos colaboradores:

 

A) Organização de corpora do Português Paulista

Responsável: Prof. Dr. José da Silva Simões (USP)

Participantes: Profa. Dra. Verena Kewitz (USP)

    Profa. Dra. Alessandra Ferreira Castilho da Costa (UFRN)

 

B) Edição de Memórias Históricas e Diários de Viagem do séc. XVIII

 Responsável: Prof. Dr. José da Silva Simões (USP)

 Participantes:

Bruna Emanuely Santos Santana (IC, ACE/USP)               

Patrícia Simone Ferucio Manoel (IC, PEP/USP)

Priscilla Uvo Morais (IC, ACE/USP)

Lucas Pereira da Silva (IC, PEP/USP)

Carlos Nicolette (IC, PEP/USP)

C) Edição de Cartas Particulares do séc. XIX ao séc. XX

 Responsável: Profa. Dra. Verena Kewitz (USP)

 Participantes: Rafael Rodrigo Ferreira (IC, ACE/USP)

     Cássio de Albuquerque (IC, ACE/USP)

                             Joyce Mattos (IC, ACE/USP, encerrada em 2013)

 

D) Edição de Atas da Câmara de Jundiaí do séc. XVII

 Responsável: Profa. Dra. Verena Kewitz (USP)

 Participantes: Kathlin Carla de Morais (IC, CNPq [2012] e RUSP [2013])

                       

E) Edição de Testamentos e Inventários paulistas do séc. XVI ao séc. XX

Responsável: Profa. Dra. Alessandra F. Castilho da Costa (UFRN)

 

G = Graduação    IC = Iniciação Científica

 

RUSP                     bolsa da Reitoria da Universidade de São Paulo

CNPq                     bolsa conferida pelo CNPq

ACE                       bolsa do Programa Aprender com Cultura e Extensão conferida pela Pró-Reitoria de Graduação-USP

PEP                        bolsa do Programa Ensinar com Pesquisa conferida pela Pró-Reitoria de Cultura e Extensão-USP

PROPESQ             bolsa do Programa de Iniciação Científica da Pró-Reitoria de Pesquisa da UFRN.

 

 

1.1.3 Síntese dos resultados de pesquisa

            São apresentados abaixo os principais resultados da investigação dos 5 temas listados no item anterior.

 

A) Organização de corpora do Português Paulista

De acordo com estudos já realizados, como as reflexões de Mattos e Silva (2002), acerca da constituição de corpora para o Projeto Para a História do Português Brasileiro (PHPB), é possível perceber uma preocupação por editar documentos que mantenham um caráter mais próximo da oralidade. Obviamente, no entanto, o que encontraremos serão pistas de uma oralidade concepcional, já que estamos lidando com textos escritos.

Em comunicação com Verena Kewitz (Simões/Kewitz 2010a), procuramos reunir os aspectos relevantes apontados por cada uma das equipes do PHPB, e a partir daí propor uma agenda de coleta de um corpus mínimo compartilhado. Notou-se que há um consenso em relação à constituição de um corpus equilibrado por tipologia textual diversificada, preocupação com os diversos registros das várias sincronias, levando em conta, assim, as diversas normas possíveis de serem detectadas (norma popular, cotidiana, culta, etc.). Observou-se ainda que é muito importante articular esses corpora em função da história social específica de cada região, pois textos transitam de forma diferente em determinados grupos sociais – alguns mais frequentemente, outros mais esporadicamente.

Em vários trabalhos, Simões/Kewitz (2006a, 2006b, 2009a, 2009b e 2009c) já apontaram para aspectos que devem ser considerados no levantamento desses corpora. Na tentativa de identificar as normas inerentes a cada um dos documentos, estabelecemos critérios de coleta e organização de material para a equipe de São Paulo que estão orientados por categorias linguístico-discursivas, entre elas: a) grau de publicidade do documento (particular, semiparticular ou público); b) grau de simetria entre emissor e receptor (ascendente, horizontal ou descendente); c) fixidez temática (sem fixidez, núcleo temático fixo ou tema altamente fixo); d) dimensões da ação comunicativa ou objetivos do texto (narrar, exigir, repreender, reclamar, confirmar, agradecer, atacar etc.) e e) grau de planejamento do texto (livre, semicontrolado ou altamente controlado).

Em Simões/Kewitz (2010a e 2010b), reiteramos que é preciso levar em conta outros aspectos relevantes, associados principalmente a) à história social da língua portuguesa no Brasil; b) ao contato linguístico; c) às normas linguísticas e d) à importância dos conceitos de Tradições Discursivas para a constituição dos corpora, assim como já apontávamos em Simões/Kewitz (2006a, 2006b, 2009a e 2009b). Nesses trabalhos enumeramos algumas reflexões a respeito de alguns fatores determinantes da produção de textos paulistas ao longo de cinco séculos: a) a diversidade linguística existente anteriormente ao Decreto de Pombal; b) as formas de aquisição do português após o Decreto, incluindo-se aí a aquisição de português como norma padrão; c) o papel efetivo das escolas primárias, secundárias e superiores no Estado de SP enquanto propagadores de norma culta a partir do século XIX; d) o papel da imprensa enquanto possível modelo de norma culta a partir do século XIX, tanto na cidade de São Paulo, quanto no interior; e) o perfil das pessoas letradas, possíveis detentoras de norma culta ao longo de toda a história do território paulista[1] f) a mobilidade social como fator de divulgação de normas (culta, popular), escritas e faladas norma culta (falada e escrita) em todo o território paulista; g) as possíveis influências de normas de territórios vizinhos, como Rio de Janeiro, Minas Gerais etc.; h) mudança de uma norma em relação a outra norma, sob quais condições; i) o conservadorismo ou renovação de tradições: mudança linguística veiculada por determinados gêneros textuais.

Levando em conta a lição que cada uma das equipes regionais do PHPB tem trazido como contribuição, Simões/Kewitz (2010a e 2010b) apresentaram uma sugestão de corpus mínimo compartilhado que foi discutida exaustivamente ainda ao longo do VIII Seminário do PHPB em João Pessoa/PB. A partir dessas considerações, os participantes da reunião discutiram a viabilidade de distribuir a coleta de materiais respeitando a disponibilidade e representatividade das tipologias textuais em cada uma das 13 regiões que compõem o Projeto PHPB. Nesse sentido, a opção foi de compor três conjuntos de textos divididos em um Corpus Comum Mínimo de manuscritos e impressos e um Corpus Comum Diferencial, muitas vezes exclusivo de uma determinada região, de um determinado século ou de uma determinada tipologia textual, que tenha sido coletado pelos pesquisadores para o estudo mais abrangente de um fenômeno específico.

A partir dessas reflexões, já apontadas em Simões (2012), a equipe de São Paulo considerou a seguinte distribuição dos corpora do Português Paulista:

 

CORPUS COMUM MÍNIMO – MANUSCRITOS

 

1. Testamentos

2. Processos-crime

3. Atas da Câmara

 

Cartas

 

4. Cartas particulares

5. Cartas da administração privada

6. Cartas oficiais

CORPUS COMUM MÍNIMO – IMPRESSOS

 

Textos jornalísticos a partir do séc. XIX

 

7. Cartas de redatores/editorais

8. Cartas de leitores

9. Anúncios

10. Notícias

 

CORPUS COMUM DIFERENCIAL

 

11. Inventários

12. Memórias históricas e diários de viagem

13. Entremezes e outros textos teatrais

14. Inquéritos orais

15. Editoriais

16. Folhetins

 

O quadro a seguir demonstra resumidamente o avanço na coleta e edição de corpora empreendido entre dezembro de 2012 a novembro de 2013 pelos pesquisadores do Subprojeto Formação de Corpora do Português Paulista, permitindo, assim, a incorporação de 6 conjuntos de textos, e a distribuição dos mesmos em 9 grupos de tipologia textual e em 12 células de 50 anos[2]:

 

 

Coleta e edição de materiais empreendidas pelos pesquisadores do Subprojeto

 Formação de Corpora do Português Paulista

dezembro de 2012 a novembro de 2013

CORPUS COMUM MÍNIMO – MANUSCRITOS

 

  1. Testamentos paulistas do séc. XVII

      Profa. Dra. Alessandra F. Castilho da Costa (UFRN)

 

A incorporação da edição paleográfica de 7 testamentos paulistas do séc. XVII, originalmente depositados no Arquivo do Estado de São Paulo, oriundos do Projeto Compartilhar, coordenado por Bartyra Sette e Regina Moraes Junqueira, www.projetocompartilhar.org.  Futuramente esse material será reeditado pelos pesquisadores deste Subprojeto para estar mais adequado às normas de transcrição adotadas no Projeto Temático de Equipe PHPP

 

  1. Atas da Câmara de Jundiaí do séc. XVII

      Profa. Dra. Verena Kewitz e Kathlin Carlas de Morais

 

Edição em fase final do Primeiro Livro de Atas da Câmara de Jundiaí, depositado no Museu Solar do Barão de Jundiaí, digitalizado em 2013. Este livro contém cerca de 75 fólios (rectos e versos) de atas lavradas entre 1663 e 1669.

 

  1. Cartas (oficiais, de administração privada e particulares) – sécs. XVI a XX

      Profa. Dra. Verena Kewitz (USP), Joyce Mattos (IC-USP), Cássio de Albuquerque (IC-USP),

      Rafael R.Ferriera (IC-USP)

 

Coleta e edição de cerca de 150 cartas (Correspondência passiva de Washington Luis), depositadas no Arquivo do Estado de São Paulo.

 

CORPUS COMUM MÍNIMO – IMPRESSOS

 

  1. Textos jornalísticos dos sécs. XIX e XX: Notícias, Cartas de Redatores, Cartas de Leitores, Anúncios etc.

      Profa. Dra. Alessandra F. Castilho da Costa (UFRN)

 

Incorporação da coleta e edição de textos jornalísticos de Castilho da Costa (2004, Ed.):

 

I - Coletas de edições completas

 

  1. Correio Paulistano

 

  1. Edição de 22 de agosto de 1854
  2. Edição de 08 de janeiro de 1856
  3. Edição de 05 de setembro de 1854
  4. Edição de 02 de abril de 1875
  5. Edição de 08 de junho de 1901

 

  1. A Província de S. Paulo/O Estado de S. Paulo

 

  1. Edição de 28 de janeiro de 1875
  2. Edição de 20 de janeiro de 1901

 

II – Coletas complementares por gêneros textuais

 

2.1          Notícias – Correio Paulistano, 02, 04 e 05 de janeiro de 1856

2.2          Cartas de leitores – Correio Paulistano, A Província de S. Paulo/O Estado de S. Paulo (1854, 1875 e 1901)

2.3          Anúncios – O Estado de S. Paulo, 22 de janeiro de 1930

2.4          Anúncios – Correio Paulistano, 12 de janeiro de 1960

 

CORPUS COMUM DIFERENCIAL

 

  1. Memórias históricas e Diários de viagem – sécs. XVI a XVIII

      Prof. Dr. José da Silva Simões (USP), Patrícia Simone Ferucio Manoel (IC, PEP/USP),

      Priscilla Uvo Morais (IC, ACE/USP), Bruna Emanuely Santos Santana (IC, ACE/USP) e

  

 

Edição de 4 memórias histórias e um diário de viagem:

 

Cleto, Marcelino Pereira (178?). “Fundação da Capitania deS. Amaro no tempo do Governo de Pedro Lopes de Souza, contendas que houverão sobre os seus limites, ecomo passou para a Coroa” – Ilha de São Vicente (Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Lisboa - ANNT – Papéis do Brasil Códice 13 - MF 1997);

Cleto, Marcelino Pereira (1781). “Dizertaçaõ A respeito daCapitania deSaõ Paulo eSua deCadencia esobre omodo derestabalecella. – Santos (Biblioteca Nacional de Lisboa – PBA 686 Códice 12);

Lacerda e Almeida, Francisco José de (1788). “Diario de viagem, que de Villa Bella deMatto-Grosso fis para a Cidade deSaõPaulo pelas ordinarias derrotas de terra, eRios que delle constar no anno de 1788” – São Paulo (Biblioteca Nacional de Lisboa – BNL PBA Códice 642)

Madre de Deus, Gaspar da, frei (1780a). “Dissertação sobre as Capitanias de Santo Amaro e São Vicente” – Santos (Biblioteca Nacional de Lisboa – BNL Códice 11107). In: José da Silva Simões et al. (2013, Orgs.). Projeto História do Português Paulista: Edição de Memórias Históricas e Diários de Viagem. FFLCH-USP, CD-ROM.

 

Madre de Deus, Gaspar da, frei (1780b). “Dissertação sobre as Capitanias de Santo Amaro e São Vicente” (1780) – Santos (Arquivo Nacional da Torre do Tombo / Lisboa – Códice 9, Avulsos, 3-9).

Estes materiais foram distribuídos aos pesquisadores do PHPP no volume:

 

Simões, José da Silva et al. (2013, Orgs.). Projeto História do Português Paulista: Edição de Memórias Históricas e Diários de Viagem. FFLCH-USP, CD-ROM.

 

  1. Edição de Entrevista com Monteiro Lobato (1948)

      Profa.Dra. Verena Kewitz (USP)

 

 

 

            Além dos materiais coletados e editados pelos pesquisadores deste Subprojeto, foram incorporados materiais suplementares, oferecidos pelas equipes dos seguintes Subprojetos:

 

- Subprojeto Fontes para a História da Língua Portuguesa: edição de manuscritos dos  períodos médio e clássico

        (Coordenador: Prof. Dr. Sílvio de Almeida Toledo Neto - USP)

 

Correspondências paulistas de circulação pública (1765-1775), cartas de administração privada e cartas oficiais:

 

Monte, Vanessa Martins do. (2013). Correspondências paulistas: as formas de tratamento em cartas de circulação pública (1765-1775). Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

 

 

- Subprojeto Tipologia e história das construções gramaticais em perspectiva funcional (Coordenadora: Profa. Dra. Sanderléia R. Longhin-Thomazi - UNESP/São José do Rio Preto) e Subprojeto Processos de construção textual: uma abordagem diacrônica (Coordenadora: Profa. Dra. Clélia Cândida Abreu Spinardi Jubran -UNESP/São José do Rio Preto)

 

EDITORIAIS

 

Editoriais do jornal A Província/O Estado de São Paulo, do período de 1875 a 1895. Coleta e edição de Lúcia Lopes-Damásio, Clélia Jubran e outros:

 

LOPES-DAMÁSIO, Lúcia/JUBRAN, Clélia et al. (2013,  Org.). Editoriais do jornal A Província/O Estado de São Paulo.

 

 

- Subprojeto Gramáticas paulistas na história do Português Brasileiro

 (Coordenadora: Profa. Dra. Maria Aparecida C. R.Torres de Morais - USP)

 

Notícias

 

Edição de notícias de jornal campinense do início do séc. XX:

 

Torres Morais, Maria Aparecida C. R. (2012). Edição do jornal de Campinas “O Getulino” (1923-1926).

 

Este material encontra-se cuidadosamente descrito na parte deste Relatório em que se apresentam os resultados alcançados por este Subprojeto coordenado pela Profa. Dra. Maria Aparecida C. R. Torres Morais.

 

- Subprojeto História e variedade do Português Paulista às margens do Anhembi

(Coordenador: Prof. Dr. Manoel Mourivaldo Santiago Almeida – USP)

 

Ofícios, Cartas de Administração privada e Cartas Oficiais

 

O Prof. Manoel Mourivaldo Santiago Almeida incorporou aos corpora históricos do PHPP as seguintes edições de textos vinculados à variedade do Português Paulista às margens do rio Tietê:

 

ALMEIDA, Michelle Viana de (2007). Edição de documentos do século XIX para o estudo da variedade lingüística em Porto-Feliz. Dissertação de Mestrado – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

Garcia Rodrigues, Rosicleide (2009). Para o estudo da formação e expansão do dialeto caipira na região de Capivari. Dissertação (Mestrado em Filologia e Língua Portuguesa).

Mota, Camila (2007). Edição de documentos oitocentistas e estudo da variedade linguísticas em Santana de Parnaíba. Dissertação (Mestrado em Filologia e Língua Portuguesa).

Rodrigues, Rafaela Baracat Ribeiro (2008). Tradições discursivas e modalidade: reflexões sobre a trajetória do gênero carta do editor em jornais paulistas do século XIX ao início do século XX. Dissertação (Mestrado em Filologia e Língua Portuguesa). São Paulo: Universidade de São Paulo.

Silva Pires, Cibélia Renata (2008). Formação e expansão da cultura e do dialeto caipira na região de Piracicaba. Dissertação (Mestrado em Filologia e Língua Portuguesa). São Paulo: Universidade de São Paulo.

 

Estão em processo de edição materiais ligados à variedade do Português Paulista às margens do rio Anhembi. Esses materiais serão disponibilizados para os pesquisadores do PHPP tão logo as dissertações e teses sejam defendidas.     

 

 

- Subprojeto Gêneros jornalísticos impressos: historicidade, constituição e mudança em uma perspectiva crítico-discursiva

(Coordenadora: Profa.Dra. Maria Lúcia da  Cunha V. de Oliveira Andrade - USP)

 

Cartas de Redatores e Editores de Jornais Paulistas

Paulo Roberto Gonçalves Segundo coletou cartas do leitor em Jornais de Bairro, referentes à segunda metade do século XX e início do século XXI:

Gonçalves Segundo, Paulo (2011). Editoriais da imprensa paulistana de bairro – séc. XX e XXI, Tese de Doutorado, USP.

Cartas de redatores e de editores de jornais paulistas do séc. XIX ao início do séc. XX. Coleta e edição de Rafaela Baracat Ribeiro:

RODRIGUES, Rafaela Baracat Ribeiro. Tradições discursivas e modalidade: reflexões sobre a trajetória do gênero carta do editor em jornais paulistas do século XIX ao início do século XX. 2010. Dissertação (Mestrado em Filologia e Língua Portuguesa) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011

Anúncios

 

Anúncios de emprego desde o período após a abolição dos escravos (século XIX e início do XX) editados em:

 

Oliveira, Kelly Cristina de Oliveira. Jornal Correio Paulistano - constituição e mudança do gênero anúncio de emprego (1854 A 1900) sob a perspectiva Crítico-Discursiva. 2012. Tese (Mestrado em Filologia e Língua Portuguesa) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

 

 

Além dos materiais acima descritos, os Corpora do Português Paulista foram incrementados em 2013 com as contribuições anteriores de colaboradores e ex-colaboradores da primeira edição do PHPP (2006-2011) e com as contribuições de colaboradores externos, cujos materiais os pesquisadores desta equipe selecionaram para compor os materiais de análise. Destacam-se nesse conjunto os seguintes materiais de colaboradores internos e externos ao atual PHPP:

 

Castilho da Costa, Alessandra Ferreira (2010, Ed.). Corpus de jornais paulistas dos séculos XIX e XX.

Castilho, Ataliba Teixeira de et. al. 2004, Org.). Cartas em jornais oitocentistas de São Paulo.

Kewitz /Simões (2006). Correspondência Passiva de Washington Luís (1897-1900).

Módolo/Fernandes (2010). Processos-Crime do Arquivo do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo séc. XVIII

Módolo/Marques (2010). Correspondências particulares do Fundo Rafael Tobias de Aguiar - Museu Paulista

Módolo/Romero/Simões (2006). Cartas Paulistas da BNRJ: Correspondência Passiva de José Bonifácio de Andrada e Silva (1801-1822)

Módolo/Souza (2010). Cartas de Alexandre de Gusmão, Cartas presentes em processo de esponsais do Arquivo da Cúria Metropolitana de São Paulo (séc. XVIII).

Simões, José da Silva Simões (2007). Cartas oficiais (séc. XVIII).

Simões/Kewitz (2006). Aldeamento de Índios (1701-1750).

 

Os materiais descritos nas tabelas acima, editados (a) pelos pesquisadores do Subprojeto Formação de Corpora do Português Paulista, (b) pelos pesquisadores dos demais Subprojetos deste Projeto Temático de Equipe e (c) pelos colaboradores externos que cederam seus materiais, encontram-se consolidados no quadro geral dos Corpora do Português Paulista conforme os pressupostos de organização de corpora históricos expostos em Simões (2012) e as edições completas estão disponíveis no DVD (anexo):

 

 

 

 

 

SÃO PAULO

1.a séc XVII
1601-1700

2.a séc XVII
1651-1700

1.a séc XVIII 
1701-1750

2.a séc XVIII
1751-1800

1.a séc XIX
1801-1850

2.a séc XIX
1851-1900

1.a séc XX
1901-1950

2.a séc XX
1951-2000

CORPUS COMUM MÍNIMO – MANUSCRITOS

1. Testamentos

Castilho da Costa (2013)
Testamentos Paulistas

Castilho da Costa (2013)
Testamentos Paulistas

 

 

 

 

 

 

2. Processos-Crime

 

 

 

Módolo/Fernandes 
(2010)

Processos-Crime  do Arquivo do Tribunal de Justiça do
Estado de São Paulo
séc. XVIII

Módolo/Fernandes 
(2010)

Processos-Crime  do Arquivo do Tribunal de Justiça do
Estado de São Paulo
séc. XIX

Módolo/Fernandes
(2010)

Processos-Crime do Arquivo do Tribunal de Justiça do
Estado de São Paulo
séc. XIX

Módolo/Fernandes
(2010)

Processos-Crime do Arquivo do Tribunal de Justiça do
Estado de São Paulo
séc. XX

 

3. Atas de Câmara

 

Morais/Kewitz (2013)
Atas da Câmara de Jundiaí
(1663 e 1669)

 

 

 

 

 

 

4. Cartas particulares

 

 

 

Módolo/Souza (2010)
Cartas de Alexandre de Gusmão, Cartas presentes em processo de esponsais do Arquivo da Cúria Metropolitana de São Paulo
(séc. XVIII)

Módolo/Romero/Simões (2006)
Cartas Paulistas da BNRJ: Correspondência Passiva de José Bonifácio de Andrada e Silva
(1801-1822)

Módolo/Marques (2010)
Correspondências particulares do Fundo Rafael Tobias de Aguiar - Museu Paulista

Kewitz /Simões (2006)
Correspondência Passiva de Washington Luís
(1897-1900)

Kewitz/Mattos (2013)
Correspondência Passiva de Washington Luís: cartas familiares 
(1901-1950)

 

5. Cartas da administração privada

 

 

Simões/Kewitz
(2006)

Aldeamento de Índios
(1701-1750)

Simões/Kewitz
(2006)

Aldeamento de Índios
(1751-1800)

Monte, Vanessa M. (2013)
Correspondências paulistas de circulação pública (1765-1775)

 

Simões/Kewitz (2006)
Aldeamento de Índios
(1801-1810)

Mota, Camila (2007). Edição de documentos oitocentistas e estudo da variedade linguísticas em Santana de Parnaíba.
(séc. XIX)

Silva Pires, Cibélia Renata (2008)
Formação e expansão da cultura e do dialeto caipira na região de Piracicaba.
(séc. XIX)

Mota, Camila (2007). Edição de documentos oitocentistas e estudo da variedade linguísticas em Santana de Parnaíba.
(séc. XIX)

Silva Pires, Cibélia Renata (2008)
Formação e expansão da cultura e do dialeto caipira na região de Piracicaba.
(séc. XIX)

 

 

SÃO PAULO

1.a séc XVII
1601-1700

2.a séc XVII
1651-1700

1.a séc XVIII 
1701-1750

2.a séc XVIII
1751-1800

1.a séc XIX
1801-1850

2.a séc XIX
1851-1900

1.a séc XX
1901-1950

2.a séc XX
1951-2000

6. Cartas oficiais

 

 

Simões (2007)
Cartas oficiais
(séc. XVIII)

Simões (2007)
Cartas oficiais
(séc. XVIII)

Garcia Rodrigues, Rosicleide (2009). Para o estudo da formação e expansão do dialeto caipira na região de Capivari.
(séc. XVIII)

Simões (2007)
Cartas oficiais
(séc. XIX)

Garcia Rodrigues, Rosicleide (2009). Para o estudo da formação e expansão do dialeto caipira na região de Capivari.
(séc. XIX)

Mota, Camila (2007). Edição de documentos oitocentistas e estudo da variedade linguísticas em Santana de Parnaíba.
(séc. XIX)

Almeida, Michelle Viana de (2007)
Edição de documentos do século XIX para o estudo da variedade lingüística em Porto-Feliz.
(séc. XIX)

Silva Pires, Cibélia Renata (2008)
Formação e expansão da cultura e do dialeto caipira na região de Piracicaba.
(séc. XIX)

Simões (2007)
Cartas oficiais
(séc. XIX)

Garcia Rodrigues, Rosicleide (2009). Para o estudo da formação e expansão do dialeto caipira na região de Capivari.
(séc. XIX)

Mota, Camila (2007). Edição de documentos oitocentistas e estudo da variedade linguísticas em Santana de Parnaíba.
(séc. XIX)

Almeida, Michelle Viana de (2007)
Edição de documentos do século XIX para o estudo da variedade lingüística em Porto-Feliz.
(séc. XIX)

Silva Pires, Cibélia Renata (2008)
Formação e expansão da cultura e do dialeto caipira na região de Piracicaba.
(séc. XIX)

 

 

 

 

CORPUS COMUM MÍNIMO – IMPRESSOS

7. Cartas de redatores/editoriais

 

 

 

 

Castilho et. al. 
(2004, Org.)

Cartas em jornais oitocentistas de São Paulo

Rodrigues, Rafaela Baracat Ribeiro (2008)
Cartas de editores em jornais paulistas do século XIX ao início do século XX.

Castilho et. al. 
(2004, Org.)

Cartas em jornais oitocentistas de São Paulo

Rodrigues, Rafaela Baracat Ribeiro (2008)
Cartas de editores em jornais paulistas do século XIX ao início do século XX.

Castilho da Costa
(2010, Ed.)

Corpus de jornais paulistas dos séculos XIX e XX

Lopes-Damásio/Jubran 
et. al. (2013,  Org.)

A Província
O Estado de São Paulo

Rodrigues, Rafaela Baracat Ribeiro (2008)
Cartas de editores em jornais paulistas do século XIX ao início do século XX.

 

8. Cartas de leitores

 

 

 

 

Castilho et. al. 
(2004, Org.)

Cartas em jornais oitocentistas de São Paulo

Castilho da Costa
(2010, Ed.)

Corpus de jornais paulistas dos séculos XIX e XX

Castilho et. al. 
(2004, Org.)

Cartas em jornais oitocentistas de São Paulo

Castilho da Costa
(2010, Ed.)

Corpus de jornais paulistas dos séculos XIX e XX

Castilho da Costa
(2010, Ed.)

Corpus de jornais paulistas dos séculos XIX e XX

 

 

9. Anúncios

 

 

 

 

 Guedes/Berlinck
(2000, Orgs.)

E os Preços eram Commodos - Anúncios de Jornais Brasileiros do séc. XIX

 Guedes/Berlinck
(2000, Orgs.)

E os Preços eram Commodos - Anúncios de Jornais Brasileiros do séc. XIX

 

Castilho da Costa
(2010, Ed.)

Corpus de jornais paulistas dos séculos XIX e XX

Oliveira, Kelly Cristina de Oliveira (2012)
Anúncios de Emprego (1854 a 1900) em jornais paulistanos do séc. XIX

 Castilho da Costa
(2010, Ed.)

Corpus de jornais paulistas dos séculos XIX e XX

 

10. Notícias

 

 

 

 

 

 Castilho da Costa 
(2010, ed.)
Corpus de jornais paulistas dos séculos XIX e XX

Castilho da Costa
(2010, Ed.)
Corpus de jornais paulistas dos séculos XIX e XX

Castilho da Costa 
(2010, ed.)
Corpus de jornais paulistas dos séculos XIX e XX

Torres Morais (2012)
Edição do jornal de Campinas “O Getulino” (1923-1926)

 

CORPUS COMUM DIFERENCIAL

11. Inventários

 

 

 

 

 

 

 

 

 

12. Memórias
Relatos históricos e
Diários de viagem

 

 

 

 Simões/Manoel/Morais
(2013, Eds.)

Edição de Memórias Históricas e Diários de Viagem: Fr. Gaspar da
Madre de Deus (1780a); Fr. Gaspar da Madre de Deus (1780b); Francisco José de Lacerda e Almeida (1788); Marcelino Pereira Cleto (178?) e Marcelino Pereira Cleto
(1781)

 Simões (2007)
Memoria economica e metallurgica sobre a fabrica de ferro de Ipanema Sorocaba de José Bonifácio de Andrada e Silva
(1820)

 

 

 

 

 

SÃO PAULO

1.a séc XVII
1601-1700

2.a séc XVII
1651-1700

1.a séc XVIII 
1701-1750

2.a séc XVIII
1751-1800

1.a séc XIX
1801-1850

2.a séc XIX
1851-1900

1.a séc XX
1901-1950

2.a séc XX
1951-2000

 

12. Memórias
Relatos históricos e
Diários de viagem

 

 

 

Costa, Renata Ferreira (2007)
Edição semidiplomática de Memória Histórica da Capitania de São Paulo e todos os seus Memoráveis Sucessos desde o anno de 1531 thé o prezente de 1796, de Manuel Cardoso de Abreu
(1796?)

 

 

 

 

13. Entremezes e outros textos teatrais

 

 

 

 

 

Módolo/Santos
(2010)

Sangue Limpo 
de Paulo Eiró
(1863)

Módolo/Santos
(2010)

As Noivas
de Paulo Gonçalves
(1897-1927 [1929?]

 

14. Inquéritos orais

 

 

 

 

 

 

 Kewitz (2013)
Entrevista de
Monteiro Lobato

(1948)

 Pretti/Castilho
et. al. (199?)

Projeto NURC
São Paulo:
D2-SP
DID-SP
EF-SP

Megale (1998, Org.)
Filologia Bandeirante

Rodrigues (2013)
Português Popular Brasileiro em São Paulo

15. Editoriais

 

 

 

 

 

 

 Módolo/Marques
(2010)

Jornais paulistas do século XX

Gonçalves Segundo (2010)
Editoriais da imprensa paulistana de bairro
sec. XX e XXI

16. Folhetim

 

 

 

 

 

Módolo/Silva
(2010)

A Justiça dos Bohemios 
de Ponson du Terrail

(1884)

 

 

 

 

Oficinas de Paleografia

            Ainda no que se refere à preparação de corpora do Português Paulista, destacamos que, em 2012 e 2013, a Profa. Dra. Verena Kewitz (USP) preparou e ministrou a Oficina de Paleografia, com o objetivo de formar os novos alunos-pesquisadores do Subprojeto Formação de Corpora do Português Paulista para o trabalho de transcrição de manuscritos antigos. Participaram da primeira etapa (2012) as alunas bolsistas Priscilla Uvo de Morais (IC, USP) e Joyce Mattos (IC, USP), com carga horária total de 12 horas, e da segunda etapa (2013), os alunos de Iniciação Científica (USP) Kathlin Carlas de Morais, Rafael Rodrigo Ferreira, Cássio de Albuquerque e Bruna Emanually Santana.

            Nessas Oficinas forneceu-se um panorama da evolução da escrita, considerando os vários tipos caligráficos ao longo da história das línguas românicas, apresentaram-se as Normas de Edição do Projeto Para a História do Português Brasileiro (Mattos e Silva 2001 Org.) e realizaram-se exercícios de transcrição e edição de manuscritos brasileiros, iniciando-se pelo século XX até o século XVI, numa "viagem ao túnel do tempo" (cf. Tarallo 1990), considerando o grau de dificuldade da escrita, a qualidade do papel e da tinta, entre outros aspectos. Todos esses aspectos foram trabalhados tendo sempre em mente a edição de manuscritos de interesse para os estudos diacrônicos do Português.

 

B) Memórias Históricas e Diários de Viagem do século XVIII

 

            Por ocasião dos II e III Seminários do PHPP II, realizados na FFLCH-USP em dezembro de 2012 e agosto de 2013, esta equipe disponibilizou em CD-ROM e em material apostilado um conjunto que reúne cinco documentos coletados por José da Silva Simões em 2005, durante missão de pesquisa na Biblioteca Nacional de Lisboa e no Arquivo Nacional da Torre do Tombo (Lisboa)[3].  Os materiais editados nesse período por alunos de Iniciação Científica, com bolsas da reitoria da USP, e incorporados ao Corpus Comum Diferencial do PHPP são os seguintes:

 

Cleto, Marcelino Pereira (178?). “Fundação da Capitania deS. Amaro no tempo do Governo de Pedro Lopes de Souza, contendas que houverão sobre os seus limites, ecomo passou para a Coroa” – Ilha de São Vicente (Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Lisboa - ANNT – Papéis do Brasil Códice 13 - MF 1997).

Cleto, Marcelino Pereira (1781). “Dizertaçaõ A respeito daCapitania deSaõ Paulo eSua deCadencia esobre omodo derestabalecella. – Santos (Biblioteca Nacional de Lisboa – PBA 686 Códice 12).

Lacerda e Almeida, Francisco José de (1788). “Diario de viagem, que de Villa Bella deMatto-Grosso fis para a Cidade deSaõPaulo pelas ordinarias derrotas de terra, eRios que delle constar no anno de 1788” – São Paulo (Biblioteca Nacional de Lisboa – BNL PBA Códice 642).

Madre de Deus, Gaspar da, frei (1780a). “Dissertação sobre as Capitanias de Santo Amaro e São Vicente” – Santos (Biblioteca Nacional de Lisboa – BNL Códice 11107).

Madre de Deus, Gaspar da, frei (1780b). “Dissertação sobre as Capitanias de Santo Amaro e São Vicente” (1780) – Santos (Arquivo Nacional da Torre do Tombo / Lisboa – Códice 9, Avulsos, 3-9).

           

Apresentamos, a seguir, uma breve descrição de traços linguísticos das memórias e dos diários de viagem.

            Os manuscritos de memórias históricas podem ajudar a reconstituir traços de norma culta do Português Brasileiro em seu processo de elaboração, no sentido klossiano de Abstandsprache (língua de distanciamento), uma vez que serviram de base para posterior publicação impressa. Entre os traços linguísticos que podem ser ali evidenciados, destacamos as seguintes características:

1. Embora as memórias e os diários de viagem tenham se tornado públicos por meio de sua impressão, até o final do século XIX elas tinham em vista um leitor a quem a obra era oferecida. Porém, é natural supor que eram fruto de uma produção mais controlada e passível de revisões. Além disso, o fato de ser um produto linguisticamente controlado aproxima o documento da norma culta padrão de cada sincronia a ser analisada.

2. As memórias e os diários de viagem escolhidos para o conjunto de textos de tipologia diferencial do PHPP e do PHPB têm como fio condutor a história da Capitania de São Paulo. A ideia de manter o foco sobre a história do território de São Paulo tem por objetivo a uniformidade na centração tópica a fim de poder controlar melhor o uso de determinados fenômenos linguísticos presentes nesse tipo de texto e auxiliar na análise desses mesmos itens (Cf. Simões 2007 e Kewitz 2007). Além disso, procuramos identificar a naturalidade paulista dos dois autores dos documentos de forma a atender as demandas da equipe paulista do PHPB.

 

C) Edição da Correspondência Passiva de Washington Luís (Cartas Particulares e de Administração Privada, séculos XIX e XX)

 

            A equipe sob a coordenação da Profa. Dra. Verena Kewitz (USP), é responsável pela edição de cartas manuscritas escritas por paulistas nos séculos XIX e XX. As cartas dividem-se em Cartas Particulares e Cartas de Administração Privada, todas coletadas do Fundo Privado de Washington Luís, depositadas no Arquivo do Estado de São Paulo.             Para o primeiro conjunto, foram selecionadas cartas de 15 remetentes paulistas da mesma família, os Paes de Barros, divididos entre cunhados, sobrinhos e a sogra do destinatário Washington Luís. Em Simões & Kewitz (2006), foram editadas algumas cartas desses mesmos remetentes, datadas do final do século XIX. A presente edição, em andamento[4], objetiva dar continuidade à edição das cartas desses remetentes datadas da primeira metade do século XX. Em 2013, com a digitalização do catálogo completo do Fundo Washington Luís (320 páginas), foi possível verificar quais e quantas cartas há de cada um dos remetentes, e com isso completou-se a seleção e digitalização dos documentos[5]. Na tabela abaixo, apresentam-se os remetentes deste fundo, por núcleo familiar.

 

Remetente

Relação com W.Luís

N.º de cartas

Período

2ª. Baronesa de Piracicaba (D. Mariquinha)

sogra

37

1901 a 1921

Antonio Paes de Barros Sobrinho / Evangelina Whitacker de Oliveira / Antonio (filho do casal)

cunhado / cunhada / sobrinho

33

1901 a 1929

Bentinho Paes de Barros

sobrinho

2

1927

Mario, Lucia e Francisco Severo Maranhão

sobrinhos

6

1922 a 1937

Everardo Vallim P. de Souza

primo e cunhado

13

1901 a 1950

Raphael Tobias de Barros

cunhado

15

1906 a 1916

João Oliveira de Barros / Luís

cunhado / sobrinho

24

1907 a 1929

Alvaro de Sousa Queiróz / Gertrudes

cunhado / cunhada

26

1901 a 1947

José Oliveira de Barros / Gilberto Oliveira de Barros

cunhado / sobrinho

5

1929 a 1930

total =

156 cartas

 

 

O segundo conjunto de documentos contará com cartas de diversos remetentes da esfera administrativa de Washington Luís (1ª. metade do XX), tais como Júlio Prestes, Fernando Prestes, Júlio Mesquita, entre outros. Até o momento, foi feita uma seleção prévia dos remetentes e do número de cartas a partir das informações constantes no Catálogo. A próxima etapa será a visita ao AESP para digitalização dos documentos selecionados e sua edição[6].

            Os dois conjuntos de cartas envolvem certo grau de simetria entre remetente e destinatário, núcleo temático variável e diferentes graus de planejamento do texto, a depender do grau de intimidade entre as pessoas e da pressa com que se escreve a carta.

D) Atas da Câmara de Jundiaí (séc. XVII)

           

No Museu Solar do Barão de Jundiaí encontram-se diversos documentos manuscritos produzidos na cidade desde sua fundação (século XVII). Como primeira etapa de edição desses manuscritos, a aluna Kathlin Carla de Morais (IC-USP) selecionou o Primeiro Livro de Atas da Câmara de Jundiaí, que foi digitalizado e está em fase final de edição. Este livro contém cerca de 75 fólios (rectos e versos) de atas lavradas entre 1663 e 1669.

            Essas atas apresentam certo grau de conservação das tradições discursivas prototípicas desse tipo de documento, ou seja, a estrutura geral das atas se mantém em todas elas: (i) data da seção; (ii) local da seção; (iii) pessoas presentes na seção; (iv) se algo foi requerido; (v) fechamento com as assinaturas. Mesmo que pareçam formulaicas, as atas fornecem dados interessantes aos estudos linguísticos em geral, não apenas pela carência de documentos dessa época e tipologia, mas especialmente por dar espaço a estruturas de redobramento sintático (me entregou a mim), ausência de pontuação, repetições de expressões, entre outros elementos.

 

E) Testamentos e inventários paulistas – sécs. XVI a XX

 

O material coletado pela Profa. Dra. Alessandra Ferreira Castilho da Costa (UFRN) tem por objetivo agregar exemplares dos gêneros textuais testamentos e inventários. Do ponto de vista metodológico, a seleção desses exemplares de textos toma como base a análise de suas propriedades textuais sintático-discursivas, como é o caso dos juntores. Este procedimento está intimamente ligado com os propósitos de análise de junção empreendidos pela pesquisadora para o Subprojeto Vésperas Brasilianas: uma agenda da sintaxe do Português Paulista nos primeiros séculos, sob coordenação da Profa. Dra. Verena Kewitz (USP).

O procedimento de análise adotado para a identificação da variação interna nos testamentos constituiu-se dos seguintes passos (v. descrição qualitativa desses passos em 2.1.1.3. F):

  1. Coleta e digitação de testamentos de São Paulo;
  2. Identificação da estrutura composicional desses testamentos, segundo a partição analítica da Diplomática (análise qualitativa);
  3. Identificação de convergências entre os testamentos e textos reguladores (análise qualitativa);
  4. Identificação de juntores típicos dessas convergências;
  5. Análise quantitativa da distribuição desses juntores pelos grupos de testamentos.

 

Foram incorporados ao Corpus Mínimo Comum de Manuscritos do PHPP as seguintes edições de testamentos paulistas[7]:

 

Testamentos Paulistas

(Arquivo do Estado de São Paulo)

Século XVII

  • Pedro Leme, 1600
  • Martim Rodrigues, 1603
  • Antonio Gomes Borba, 1645
  • Afonso João, 1654
  • Antão Rodrigues Lopes, 1653
  • Cristóvão da Cunha, 1664
  • Miguel Garcia Velho, 1664
 

 

 

A consideração da macroestrutura dos testamentos aqui defendida utilizou os subsídios fornecidos pela Diplomática a respeito da organização textual de documentos públicos e privados de caráter histórico. O testamento é identificado como documento particular, quer dizer, como registro que tem o fim de conservar um direito individual, tratando-se, portanto, de um texto pertencente à esfera jurídica (cf. Spina 1997, p. 18-19). Como documento jurídico, esse gênero textual atende à definição proposta por Theodor Sickel (apud Spina 1977, p. 19) de documento diplomático: “um testemunho escrito de um fato de natureza jurídica, coligido com a observância de certas formas determinadas, destinadas a conferir-lhe fé e dar-lhe força de prova”.

 

1.1.4. Consolidação dos resultados  

 

Os materiais coletados até o momento (A) confirmam que é válida a preocupação técnica de organizar um corpus devidamente equilibrado pela distribuição de gêneros e seus subgêneros e pela quantidade de texto. Essa metodologia apoiou-se nos pressupostos teóricos do modelo de Tradições Discursivas, que alia o estudo das tipologias textuais à análise de fenômenos gramaticais específicos. Com base nas contribuições da Linguística de Texto para a análise das memórias históricas, estabeleceu-se uma interface entre os estudos linguísticos e os trabalhos de história social. A exemplo do que se tem feito nos estudos de Linguística Histórica, observamos que a análise da história do gênero vai além dos limites da língua particular e que é necessário investigar a gênese dos textos e sua relação com outras línguas e tradições culturais. Notamos, ainda, que as mudanças na organização social ajudam os linguistas a compreenderem mudanças nos processos comunicativos. Para linguistas, as memórias são, portanto, uma fonte importante de pesquisa, que comprovam que a análise da história social ajuda a compreender as mudanças internas da língua, além de possibilitar a análise do uso ideológico da linguagem.

As memórias e diários de viagem (B) já demonstraram grande potencialidade para a investigação acerca da constituição da norma culta no Brasil a partir do séc. XVIII, período em que os textos produzidos no Brasil começam a se tornar cada vez mais independentes dos modelos textuais portugueses. O mesmo foi atestado pelo trabalho realizado pela equipe que coletou as cartas particulares e de administração privada (C), as atas da câmara de Jundiaí  (D) e os testamentos paulistas (E).

Nesse sentido, vê-se que parte do material por nós compilado já foi utilizada como fonte de pesquisa por outras equipes, como é o caso da doutoranda Gilcélia de Menezes da Silva, do Subprojeto Vésperas Brasilianas, que investigou o fenômeno Construções Denominativas na História da Língua Portuguesa no primeiro conjunto de memórias históricas, bem como o próprio trabalho de Alessandra F. Castilho da Costa (2013) sobre junção para o Subprojeto Vésperas Brasilianas também conta com o material por ela mesma editado, conforme descrito em (E).

Em suma, assim como já ficou atestado em Simões (2012), verificamos que “a análise da história do gênero vai além dos limites da língua particular e que é necessário investigar a gênese dos textos e sua relação com outras línguas e tradições culturais”. É importante também levar em conta as mudanças na organização social, pois isso nos permite compreender as mudanças que se dão nos processos comunicativos. Para linguistas, as memórias históricas e os testamentos, embora sejam textos povoados de fórmulas modelares, são, contudo, uma fonte importante de pesquisa, que comprovam que a análise da história social ajuda a compreender as mudanças internas da língua, além de possibilitar a análise do uso ideológico da linguagem. Em contrapartida, verificou-se que as cartas editadas pelo grupo da Profa. Verena Kewitz são portadoras dessas mudanças num plano mais pessoal, intermediário entre a norma culta e a norma cotidiana do final do séc. XIX e início do séc. XX, apontando aí a rota de mudança que perpassou a língua portuguesa entre o período no qual nos concentramos nesta primeira etapa.

 

 

 

1.1.5. Plano de atividades para o próximo período

           

Além da continuada tarefa de preencher as células de 50 anos do quadro geral de Corpora do Português Paulista, incorporando novos materiais produzidos pelas equipes dos demais Subprojetos e de colaboradores externos do PHPP, estão previstas para o ano de 2014 as seguintes atividades, com seus respectivos responsáveis:

 

CORPUS COMUM MÍNIMO – MANUSCRITOS

 

Atas da Câmara da Vila de Jundiaí

Profa. Dr. Verena Kewitz (USP)

 

  • Transcrição do 1.º Livro de Atas da Câmara da Vila de Jundiaí, já digitalizado, seguindo as normas de edição do Projeto. A edição vem sendo realizada por Kathlin C. de Morais, como parte de sua IC (RUSP).

 

Correspondência Passiva de Washington Luís

(1ª. metade do XX, cartas privadas)

Profa. Dra. Verena Kewitz (USP)

 

·         Transcrição de cartas de 3 remetentes

·         Revisão final da edição de todas as cartas

·         Elaboração da apresentação, lista e numeração das cartas; revisão final da obra, pela Profa. Dra. Verena Kewitz (USP)

 

Correspondência Passiva de Washington Luís

Cartas de Administração Privada, séculos XIX e XX

Profa. Dra. Verena Kewitz (USP)

 

·         Seleção dos remetentes, seguindo os critérios: número de cartas; qualidade do manuscrito; tipo de letra; identificação do remetente como paulista.

·         Digitalização das cartas selecionadas (AESP); transcrição dos documentos; edição de acordo com as normas de transcrição do Projeto.

·         Todas as etapas serão realizadas em conjunto pela Prof. Dra. Verena Kewitz (USP) e seus bolsistas ACE/USP Rafael R. Ferreira e Cássio de Albuquerque.

 

Cartas Particulares – sécs. XVI a XVIII

Prof. Dr. José da Silva Simões (USP)

 

Galvão, Frei Francisco Antonio de Santa Anna (1797). Carta de Francisco Antonio de Santana Galvão datada de São Paulo a 14 de outubro de 1797 (Biblioteca Nacional de Lisboa, Coleção Pombalina, PBA 710, fl. 191-192.

Galvão, Frei Francisco Antonio de Santa Anna (1797). Carta familiar de Francisco Antonio de Santana Galvão. Dá notícias de diversas pessoas de Cuyabá, Paraty, etc., datada de São Paulo a 18 de novembro de 1797 (Biblioteca Nacional de Lisboa, Coleção Pombalina, PBA 710, fl. 197-198).

 

Cartas Oficiais e da Administração Privada – sécs. XVI a XVIII

Prof. Dr. José da Silva Simões (USP)

 

Cleto, Marcelino Pereira (1783). Carta do juiz de fora de Santos, Representaçaõ daCamara daVila deSantos a SuaMagestade de Marcelino Pereira Cleto e outros  (Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Lisboa – ANTT Papéis do Brasil, apêndice do Códice 12).

Madre de Deus, Frei Gaspar da (1792). Carta de Fr. Gaspar da Madre de Deus a Bernardo José de Lorena, sobre a administração da capitania de S. Paulo, estado do porto de Santos, datada do Mosteiro de São Bento de Santos, 6 de março de 1792 (Biblioteca Nacional de Lisboa, Coleção Pombalina, PBA 643, fl. 330 a 347).

 

CORPUS COMUM DIFERENCIAL – MANUSCRITOS

 

Memórias históricas e diários – sécs. XVI a XVIII

Prof. Dr. José da Silva Simões (USP)

 

Borgez, Francisco Caetano, escrivão da camara em nome de Theotonio da Sylva Gusmão, Juiz de Fora das Minnas (1754). Edital de Villa Bella desoprimeiro descobrimento deste Certaõ doMatto GroSso, noanno de1734 – cópia registrada como “Annaes de Villa Bella, desde o descobrimento d’este sertão de Matto Grosso no anno de 1734” até 1754, datado de 31 de dezembro de 1754. (fl. 29 a 59), Villa Bella da Santissima Trindade, Matto Grosso (Biblioteca Nacional de Lisboa –  BNL PBA 629)

Ferraz, Manoel Luiz (1737). Carta que escreveu Manoel Luiz Ferraz ao Conde de Assumar D. Pedro d’Almeida, no anno de 1737, em que dá notícia, entre outras, de se haver descoberto caminho da nova colonia para a capitania de S. Paulo, sendo a viagem de mais de um ano, fl. 148 a 150, São Paulo (Biblioteca Nacional de Lisboa – Coleção Pombalina – PBA 672).

Figueira, Padre Luis (1630). Notícias do Maranhão pelo Padre Luis Figueira da Companhia de Jesus (Biblioteca Nacional de Lisboa, BNL, PBA 475 F 7075, fl. 380ss).

Figueira, Padre Luis (1635). Pasquins que saíram desde Março de [1]634 até o de [1]635 e notícias várias (Biblioteca Nacional de Lisboa, BNL, PBA 475 F 7075, fl. 360 até 363).

Rendon, José Arouche Toledo (1802). Plano, emque sepropoem omelhoramento daSorte dos Indios, Reduzindose áFreguezias as Suas Aldeas, eextinguido-se este nome, eesta antigaSepe[?]çaõ, emque tem vivido amais dedois Seculos, São Paulo, 10 de novembro de 1802 – Arquivo Histórico Ultramarino – Caixa 53, Documento 4092 – Projeto Resgate.

 

 

Preparação de originais para publicação

 

Revisão final de edições filológicas para publicação

Prof. Dr. José da Silva Simões (USP)

 

Simões, José da Silva et al. (2013, Orgs.). Projeto História do Português Paulista: Edição de Memórias Históricas e Diários de Viagem. FFLCH-USP, CD-ROM.

Cleto, Marcelino Pereira (178?). “Fundação da Capitania deS. Amaro no tempo do Governo de Pedro Lopes de Souza, contendas que houverão sobre os seus limites, ecomo passou para a Coroa” – Ilha de São Vicente (Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Lisboa - ANNT – Papéis do Brasil Códice 13 - MF 1997);

Cleto, Marcelino Pereira (1781). “Dizertaçaõ A respeito daCapitania deSaõ Paulo eSua deCadencia esobre omodo derestabalecella. – Santos (Biblioteca Nacional de Lisboa – PBA 686 Códice 12);

Lacerda e Almeida, Francisco José de (1788). “Diario de viagem, que de Villa Bella deMatto-Grosso fis para a Cidade deSaõPaulo pelas ordinarias derrotas de terra, eRios que delle constar no anno de 1788” – São Paulo (Biblioteca Nacional de Lisboa – BNL PBA Códice 642)

Madre de Deus, Gaspar da, frei (1780a). “Dissertação sobre as Capitanias de Santo Amaro e São Vicente” – Santos (Biblioteca Nacional de Lisboa – BNL Códice 11107). In: José da Silva Simões et al. (2013, Orgs.). Projeto História do Português Paulista: Edição de Memórias Históricas e Diários de Viagem. FFLCH-USP, CD-ROM.

Madre de Deus, Gaspar da, frei (1780b). “Dissertação sobre as Capitanias de Santo Amaro e São Vicente” (1780) – Santos (Arquivo Nacional da Torre do Tombo / Lisboa – Códice 9, Avulsos, 3-9).

 

Preparação da Edição do Volume de Jornais Paulistas dos séculos XIX e XX

Prof. Dr. José da Silva Simões (USP)

 

Castilho da Costa, Alessandra (Org., no prelo). Corpus de jornais paulistas dos séculos XIX e XX: contribuição para o Projeto de História do Português Paulista. FFLCH-USP, CD-ROM, 383 pp.

 

Preparação da Edição do Volume Inquéritos orais

Prof. Dr. José da Silva Simões (USP)

 

Rodrigues, Angela (Org, no prelo). Inquéritos Orais do Português Paulista. FFLCH-USP, material digitado.

 

 

 

Referências bibliográficas

Biber (1986), Kabatek (2001, 2004), Kabatek/Obrist/Vincis (2010), Koch (1997), Mattos e Silva (2001 e 2002), Raible (1992), Simões (2007 e 2012), Simões/Kewitz (2006a, 2006b, 2009a, 2009b e 2009c, 2010a e 2010b), Spina 1997 e Tarallo (1990)

 


[1] Considera-se aqui a abrangência da Capitania de São Paulo desde o séc. XVI até o que hoje se considera como Estado de São Paulo.

[2] Os corpora coletados pelos pesquisadores do Subprojeto Formação de Corpora do Português Paulista já se encontram disponíveis na página do PHPP em http://phpp.fflch.usp.br/corpus.

[3] Coleta feita em 2005 com recursos da bolsa de estágio de doutoramento auferida pela CAPES a José da Silva Simões pela permanência de 12 meses na Eberhard Universität Tübingen (CAPES BEX-131105-0).

[4] A edição deste conjunto está sendo feita por Verena Kewitz (USP) e Joyce Mattos (IC-USP), e a revisão de parte das cartas por Renata Ferreira Costa (DO-USP). Uma primeira amostra de 5 cartas de cada remetente foi disponibilizada aos pesquisadores do PHPB em janeiro de 2014.

[5] Ressalta-se que o Fundo Washington Luís encontra-se razoavelmente desorganizado, visto haver documentos em local distinto do que consta do Catálogo, dificultando o acesso. Além disso, o Catálogo está organizado por data, ao passo que nosso trabalho baseia-se nos remetentes, além das datas.

[6] Seleção, coleta e edição por Verena Kewitz (USP), Cássio de Albuquerque (IC-USP) e Rafael Rodrigo Ferreira (IC-USP).

[7] A incorporação desse material leva em conta previamente a edição paleográfica do Projeto Compartilhar, coordenado por Bartyra Sette e Regina Moraes Junqueira, www.projetocompartilhar.org.  Futuramente esse material será reeditado pelos pesquisadores deste Subprojeto para estar mais adequado às normas de transcrição adotadas no Projeto Temático de Equipe PHPP.

 



Main menu 2

Dr. Radut Consulting